Implantes

Usar um implante não acarreta nenhuma limitação na prática desportiva, nem dentro nem fora de água. Na piscina, bastará retirar o componente externo antes de nadar, como teria de fazer com uma prótese auditiva. A parte interna do implante não é afetada pela água. Para outros desportos mais agressivos ou de contacto, use um capacete para proteger o equipamento, embora seja recomendável não praticar este tipo de atividade. Para os mergulhadores, o implante interno está certificado para suportar a pressão de uma profundidade de 25 metros. No entanto, é recomendável consultar o cirurgião ou o médico antes de praticar desportos subaquáticos. Há demasiados requisitos médicos que deverá considerar.

As intervenções cirúrgicas são programadas depois de o médico especialista ter terminado todas as suas avaliações. Peça à sua equipa de implante mais informações acerca da sua operação.

Esta costuma durar entre 1 a 3 horas. Normalmente, o paciente vai para casa no próprio dia ou no dia seguinte de manhã. A maior parte dos pacientes retoma a sua atividade habitual em poucos dias ou numa semana. No entanto, como em qualquer operação, podem surgir certos incómodos, que podem combater?se com analgésicos convencionais.

O processador externo normalmente é ativado entre a quarta e a sexta semana após a intervenção cirúrgica.

Escove suavemente a zona utilizando água e sabonete. Evitará a acumulação de células mortas e o risco de infeção. Caso sinta dor ou incómodos, entre em contacto com o seu médico.

Os raios UVA ou luz ultravioleta não constituem um risco para o implante, embora importe evitar a exposição extrema das partes externas do implante, por ser causa potencial da deterioração dos materiais. Se o portador de implante quiser ir a um solário, recomendamos -lhe que retire o processador.

Para evitar os riscos de infeção, a pele que rodeia imediatamente o pilar não deverá apresentar cabelos, pelo que será necessário rapá-los antes da intervenção. Naturalmente, o cabelo volta a crescer.

Antes da operação, refira ao seu médico todos os artigos para a cabeça que deseja ou tem de utilizar. Deste modo, o cirurgião, poderá ter esta informação em conta quando planear a intervenção.

É claro que pode nadar com um implante, mas, como o processador não é impermeável, não se esqueça de o retirar previamente. Se quiser, poderá utilizar a cobertura do pilar para ocultar o pilar.

É recomendável dormir sobre o outro lado durante o período de cicatrização. Depois deste tempo, não deverá haver qualquer problema. A única coisa que se deve fazer é extrair o processador.

O implante e o pilar são fabricados em titânio, que não ativa nenhum tipo de alarme, mas é verdade que o processador de som Ponto pode ativar os alarmes, pelo que, para evitar que ocorra essa situação, poderá ser extraído.

Naturalmente, mas para evitar a retroalimentação (apitos altos), o telefone não deverá tocar no processador de som.

Sim. Aconselhamo-lo mesmo a experimentá-lo, colocando-o numa fita para a cabeça, de modo a avaliar os benefícios em todo o tipo de situações, tanto ruidosas como silenciosas.

Quanto mais cedo for detetado o transtorno auditivo e for implantado, maiores serão as probabilidades de a criança ter um desenvolvimento normal. Se a intervenção for efetuada de forma precoce, poderá ter um sucesso da ordem de 95%. De acordo com inúmeros estudos, quando recebe o implante antes dos dois anos, a criança consegue desenvolver a linguagem como uma pessoa sem problemas de audição.

Nas pessoas adultas que perderam a audição depois de terem adquirido a linguagem, devido a uma lesão ou doença, o sucesso ronda os 85%, e os benefícios são maiores quanto mais cedo receber o implante, pois a pessoa ainda não perdeu a memória auditiva.

Aguarde, está a ser encaminhado para a Minisom...

A GAES agora é Minisom